Fale conosco!

" /> Como alugar meu imóvel com segurança | Portal Trípoli

Como alugar meu imóvel com segurança

A hora de alugar o imóvel chega, mais cedo ou mais tarde. É muito importante que neste momento todas as dúvidas sejam sanadas para não surgir nenhuma desavença futura com os inquilinos. É por isso que o melhor mesmo é ter tudo organizado de modo a ficar claro os direitos e deveres de ambas as partes.

O mercado imobiliário tem sofrido queda nos preços ultimamente, mas ainda sim as pessoas buscam a independência e procuram suas moradias, pois isto é prioridade dentro do processo. Há alguns pré-requisitos para alcançar o acordo ideal entre o proprietário e o cliente e envolvem certas responsabilidades.

Proprietário 

Manter uma segunda renda fixa é sempre bom para equilibrar as contas e dar uma folguinha para a cabeça. Portanto, se for disponibilizar o seu imóvel (casa, loja, apartamento, kitnet dentre outros) fique atento as estratégias para estabelecer relação profissional com o inquilino. Este passo a passo irá manter a qualidade do seu estabelecimento por mais tempo elevando o valor material do imóvel na hora da divulgação.

Passo 1 – Manter conservado o local

Quer causar uma boa impressão na hora de apresentar o imóvel para o cliente? Cuide nos mínimos detalhes. Verifique, de um morador para outro, se os rodapés ou tomadas estão em boas condições. Mantenha a pintura em dias, porque a estética é sua principal aliada para conquistar o inquilino.

Repare se não há manchas, ou infiltrações, se o piso está adequadamente bem cuidado. Se o/os banheiros estão funcionando. Outra dica também é contratar um dedetizador para dedetizar o espaço e prevenir que não haja pragas no recinto. Estes animais podem prejudicar a estrutura do imóvel.

Passo 2 – Adeque o espaço ao cliente

Cada cliente tem o um perfil e é importante procurar adequar o espaço para as necessidades básicas do seu inquilino. Por exemplo, se o usuário do espaço for pessoas com mais idade, não custa nada colocar suportes, principalmente no banheiro, para garantir-lhes a segurança.

A pressa é inimiga da perfeição, lembre-se disso. Peça um tempinho antes de entregar o imóvel e negocie depois que os reparos estiverem feitos para dar tudo certo. Este tipo de atenção revela uma postura de interesse e preocupação com o desejo do inquilino. Além do mais, ele pode vir a ser uma futura indicação. Trate bem o seu cliente.

Passo 3 – Procure sempre divulgar o estabelecimento

A propagando é a alma do negócio e deve ser feita com categoria. Busque sites, redes sociais, ou outros veículos de divulgação. Faça fotos de qualidade, vídeos, se necessário contrate um design para melhorá-las e disponibilize.

Esta é o primeiro contato entre o cliente e o imóvel. Abuse sobretudo das descrições, encha-os de informações positivas e seja sincero. Explore todos os cantos do estabelecimento, mostre detalhes que talvez possa vir de ser do interesse das pessoas Tire fotos de cima, de baixo, de lado, em zoom, afastada, pegando panorama geral. O céu é o limite na hora de causar aquela boa impressão.

Passo 4 – Preço

Equilíbrio é a palavra chave para valorização do seu imóvel. Não abuse, mas também não deixe de dar valor ao que tem. É simples, seja justo, mantenha postura e ouça as propostas feitas. Negociar é a base tanto conquistar um bom contato de confiança e traz segurança para ambas as partes.

Agora, se estiver com dúvida qual o preço lançar para o estabelecimento dê uma pesquisada pela vizinhança. Ou então procure sites como Imovelweb para saber o padrão da sua região.

Passo 5 – Contrato

Tudo que é conversado não sai caro. E melhor ainda! Tudo que é escrito e documentado é assegurado. Nunca, jamais feche acordos sem colocar tudo bem explicado no papel. Ambas as partes precisam entrar em acordo quando o assunto é dinheiro e erros podem gerar problemas desnecessários.

E, vamos combinar, né? Tomar calote é horrível nessas situações, pois o proprietário faz compromissos com essa entrada no fim do mês. É por isso que estabelecer fim e renovação de contrato é importante, pois não dará brechas para o inquilino abandonar o acordo sem mais nem menos e deixar a propriedade.

 Para o que servem os corretores?

Os corretores de imóveis são profissionais qualificados para fazer todo este processo de contrato com o cliente e estabelecer as regras entre os interessados. Ele é fundamental na hora de deixar claro os direitos e deveres de cada um.

Se não estiver muito afim de lidar com toda a burocracia, ou não tem tempo de acompanhar de perto o passo a passo, vá atrás do corretor, porque ele é formado para isso e vai suprir todas as necessidade básicas do contrato com um olhar bem mais amplo e apurado para o assunto.

Precauções financeiras

Já imaginou a falta dessa entrada financeira na sua renda mensal? O caos que poderia surtir sem o dinheiro na conta? Pensando nisso foram criados caminhos para garantir que não fique na mão caso haja ausência da mensalidade por parte do inquilino. Os três pilares de sustentação são: fiador, seguro fiança e fiança bancária ou carta fiança.

Fiador

O fiador é uma pessoa que vai responder pelo inquilino caso haja inadimplência por parte da contratada. Se a quebra de acordo estiver inviável e ambas as partes não entrarem em acordo o mesmo irá assumir a responsabilidade financeira. Em contrato, o fiador pode até correr o risco de ter seu imóvel penhorado.

Seguro fiança

O seguro fiança é um valor acrescido que pode ser dividido em até 12 vezes (equivalente a 1 ano). A quantia a mais garante os aluguéis que ficarem atrasados, cobrem os danos contra o imóvel. Se houver, ou não contas como IPTU, taxa de condomínio, água e luz.

Cerca de 50% dos contratos recebem esse tipo de acordo que tem cobertura total da lei. Isso ocorre desde que seja escolhido somente um dos meios de garantia da segurança financeira do proprietário.

Fiança bancária

Essa garantia também chamada de carta fiança é decidido entre o inquilino e proprietário. Ambos entrarão em consenso na hora de escolher o melhor banco, ou seja, o fiador, para que o mesmo cubra algum tipo de inadimplência na hora do pagamento.

A amplitude deste tipo de acordo com o banco é bem maior pois pode agregar vários outros clientes, sendo eles locais, ou não. Isto é, o alcance é muito maior já que estão disponíveis tanto as pessoas físicas quanto jurídicas no acordo.

 

Gostou do nosso conteúdo?

Fale conosco!